Uma estrangeira no mundo

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Reformas no dia da Reforma


Há pouco tempo minha mãe promoveu uma reforma em sua casa. Havia infiltrações na parede, telhas soltas, o piso e os azulejos precisavam ser trocados. Não havia muita alternativa: ou reformavam a casa, ou um dia ela simplesmente cairia.

Minha família permaneceu em casa durante a reforma. Imaginem a confusão! Para reformar um aposento, todos os seus móveis precisavam ser alocados em outro. Lembro-me que um dia fui visitar minha família e encontrei a geladeira na sala, os armários de cozinha desmontados e empilhados no meu ex-quarto, o fogão estava na edícula. A preparação de um simples ovo frito tornou-se um estorvo!

Mas não só a bagunça incomoda numa reforma, quando se está dentro. Imaginem o pó e o cheiro de cal, cimento, tinta, tudo junto! O não conseguir encontrar uma simples roupa, pois vai lá saber onde alguém a colocou… A casa se torna um lugar inseguro, onde nada parece certo, porém com uma única esperança: a de que a reforma termine logo, trazendo enfim uma casa renovada, bonita, limpa, arrumada. Trazendo de novo uma idéia de “lar”.

Hoje é aniversário da Reforma Protestante, embora o mundo prefira esquecer esse fato e comemorar o Halloween, o dia das bruxas. O mundo quer viver no terror, na bagunça, na confusão, na sujeira, e por isso não quer reformas. Inclusive entre os que se dizem cristãos, há os que se deliciam com a corrupção e a impureza que tem corroído nosso meio, afinal reformas são períodos de grande transtorno e dor para quem os vive. Minha família que o diga.

Mas ainda há um pequeno grupo que está – e muito! – incomodado com as infiltrações que estão minando a Igreja. Que não suportam mais o cheiro de queimado dos sacrifícios oferecidos a Mamom e a Baal, em nome de um Gezuiz de pedra, que tenta se passar pelo Jesus Ressurreto. Que sabem que é melhor passar pelo sofrimento de uma Reforma hoje a ter que ser testemunha viva da queda da Igreja. Que não se importa de passar por transtornos durante a Reforma, de serem xingados, ofendidos, caluniados, agredidos, massacrados pelo mundo e pelos muitos que se dizem seus irmãos.

Daqui há uns 10 anos, se não houver manutenção constante, a casa da minha mãe precisará de uma nova reforma, afinal não dá para parar a ação do tempo e das intempéries sobre o imóvel. Da mesma forma, passados alguns séculos desde que Lutero escreveu suas 95 teses, a Igreja novamente se deteriorou, pois não foi feita a manutenção de rotina. Foram aos poucos aceitos os cupins do gnosticismo, a ferrugem da ganância financeira, a pichação da busca pelo poder, o vandalismo da religiosidade. O resultado está à vista de todos: uma Igreja, com poucas exceções, em ruínas, muito longe do ideal do seu Arquiteto e Construtor, Jesus Cristo.

Hoje, dia 31 de outubro, é dia de refletir sobre a necessidade de uma nova Reforma. Quem não teme os transtornos e inconvenientes que ela temporariamente trará, poderá desfrutar no futuro de uma Igreja nova, limpa, pura, ataviada: da verdadeira Noiva de Cristo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 31/10/2009 por em Ser estrangeira e marcado , , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: