Uma estrangeira no mundo

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

Um novo Cristianismo para um mundo novo


Por Paulo Siqueira – Blog As Pedras Clamam

“Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo.” (Isaías 43.19)

Após meses de espera, foi publicada no último final de semana, na Revista Época, a matéria que fala a respeito da inconformidade de um grande número de evangélicos com a atual realidade da igreja brasileira.

Pode parecer coincidência, mas a matéria sai no mesmo instante em que um telepastor insiste em divulgar mais uma de suas heréticas campanhas financeiras.

O artigo publicado é bastante repercussivo. São inúmeros os blogs, sites que divulgaram o artigo.

Fui contatado pelo autor dias depois de nossa participação no protesto da última Marcha para Jesus. De uma forma bastante simples, fui entrevistado pelo autor, e pude expressar minhas opiniões a cerca do assunto, bem como indicar pessoas e oferecer material reflexivo aos meus pontos de vista. Só solicitei que meu nome não fosse inserido na reportagem. E aguardamos até sábado, com bastante ansiedade, a publicação.

A matéria reflete, de forma bastante clara, os porquês do descontentamento por parte das principais lideranças com o andamento do contexto neopentecostal, principalmente. É preciso ver que a matéria tem como alvo o público leigo. Em momento algum, tem um discurso aprofundado, principalmente nas bases e na essência do que realmente é o pentecostalismo e o neopentecostalismo. Isso se dá pelo fato de não termos uma teologia pentecostal. É preciso dizer que teologia da prosperidade não reflete uma teologia pentecostal. A teologia da prosperidade é uma forma “vulgar”, superficial, de um contexto não apropriado para a realidade brasileira e também sul-americana.

Essa falta de uma teologia pentecostal fez com que alguns pastores, após terem contato com a realidade de parte de alguns movimentos carismáticos americanos, se entusiasmasse com as facilidades decorrentes do pensamento de alguns teólogos americanos.

É preciso ter em mente que alguns desses teólogos viviam e vivem até hoje à margem de alguma representabilidade no contexto americano.

O objetivo da matéria é trazer luz, mesmo que de forma simples, descrevendo que o movimento neopentecostal necessita de limites éticos.

Outro ponto a ser destacado é trazer distinção entre o que é e quais são os protestantes históricos, pentecostais históricos e neopentecostais. Há uma grande distinção entre um grupo e outro. Diferenças bastante essenciais para entendermos a realidade da igreja brasileira. E é entendendo essas diferenças que se pode pensar em uma nova Reforma Protestante (termo esse já utilizado por mim há bastante tempo).

Uma nova Reforma Protestante se faz necessária para sairmos de antigos vínculos formados pelos teólogos da teologia liberal, como também da teologia da prosperidade. Ambas teologias têm seus pontos nocivos à Igreja. A teologia liberal, formada por pensadores que insistem em se distanciar da vivência espiritual, que insistem em ter uma orientação mais burguesa, confirmando isso com suas ligações com a Maçonaria, isso ocorrendo desde sua chegada ao Brasil.

Do outro lado, a teologia da prosperidade vem de forma emergente sendo provada a cada dia, por novos pastores, novas entidades eclesiásticas, e acontece de diferentes formas. Parece não ter limites. É uma bola de neve ladeira abaixo. É tão cheia de novidades que as lideranças se confundem em títulos: ora são pastores, ora bispos, apóstolos, e agora já têm até um patriarca, tudo no sentido de caminhar de forma emergente, nova. Até possuem um novo vocabulário. Em muitos casos, nem mais precisam da Bíblia.

A revelação e a ligação com Deus é pessoal. Isso faz com que tanto a teologia liberal como a teologia da prosperidade sejam pontos de referência de que a Igreja necessita de novos caminhos.

Primeiramente é preciso despertar a igreja pentecostal para que busque a sua teologia, busque através de seus sermões, sua liturgia, suas músicas, formas de reflexão. Que o povo pentecostal seja também um povo pensante, reflexivo.

Por outro lado, que as igrejas históricas sejam menos burocráticas, mais flexíveis, livres para que o povo leigo possa servir a Deus, assim como a Palavra determina. Que algumas igrejas históricas quebrem seu vínculo com a burguesia, e sejam abertas aos pobres, não de forma enrustida, mas de forma libertadora.

Aí sim poderemos limitar a ação do movimento neopentecostal, que a meu ver é a forma nociva da extensão da igreja. O movimento neopentecostal nasce do comodismo das igrejas históricas e do desequilíbrio organizacional dos pentecostais. Como uma erva-daninha, surge nos espaços ociosos, deixados tanto por pentecostais como por protestantes históricos.

Pensar teologia sem que essa teologia tenha fluxo cotidiano com a comunidade a cerca é uma grande perda de tempo. Assim, por muito tempo, protestantes históricos acumularam diplomas e mais diplomas, e pentecostais, anos após anos, endemonizaram a busca do conhecimento teológico. Essa lacuna foi preenchida pelas heresias e pelas fantasias neopentecostais.

Na matéria, não foi possível uma expressão de um teólogo pentecostal, pois esse teólogo referencial não existe. E neopentecostal seria algo imaginável. Com isso, fomos obrigados a ler velhos chavões do pensamento filosófico de vários teólogos das igrejas protestantes históricas.

A nova Reforma nasce a partir do momento em que uma nova consciência de igreja une passado, presente e futuro, ou seja, uma teologia que fuja de padrões teóricos e que seja cotidiana, produtora de vida, que interaja com ricos e pobres, que seja livre dos vícios antigos, mas que também tenha um espírito profético, capaz, de forma abundante, de trazer direções para um mundo moderno.

Tudo isso dentro da simplicidade e da pureza de um Evangelho livre de segundas intenções e da busca de glórias humanas. A nova Reforma nasce a partir do momento em que homens e mulheres abrirem vossos corações para que Deus faça algo novo a cada dia.

Anúncios

4 comentários em “Um novo Cristianismo para um mundo novo

  1. Wilson Costa
    13/08/2010

    Concordo plenamente, e tomo a liberdade de acrescentar que as lideranças que hoje estão entrincheiradas no combate a esses conceitos humanos, que têm disvirtuado na essência o Evangelho da Graça, razão da morte de Cristo.
    Devem levar para seus confrontos o Amor que tudo sofre e que não se ensoberbece, mas que compartilha as verdades espirituais que vêm diretamente do Trono de Deus.
    Sabedoria que verticalizada, ao se derramar se horizontaliza fazendo com que todos sintam uma mesma afeição e prazer que só o Espírito Santo proporciona.
    Assim acontecendo, não há pobre, nem rico, nem sábio ou ignorante, todos são tratados igualmente pelo Senhor da Vida, Jesus Cristo o Messias, restaurador da humanidade.
    Não há líderes, nem liderados e sim servos de orelhas furadas.

    Curtir

  2. Pedro
    14/08/2010

    Há muito esperava por uma iniciativa como essa,no entato espero por uma base concreta, teologicamente.Para que dessa forma não possa haver divergência quanto a verdadeira intenção que nós nos propomos (q é uma nova revolução protestante) em que a INSTITUIÇAO não sobreponha a fé e a humildade deixada pelo nosso SERHOR JESUS.

    Curtir

  3. Luís Donato
    18/08/2010

    Tristemente vejo gladiadores que combatem uns aos aos outros se julgando melhores ou julgando outros piores.
    Li com tristeza a matéria da Epoca e também agora esta matéria, pois não vejo em ambas o Amor de Jesus mas interesses de se discutir algo que não faz sentido ou não deveria fazer para verdadeiros cristaos.
    Não vi em ambas matérias preocupações com o sacrifício de Cristo, mas sim em defender ideais e igrejas, mentalidade humana e pedras.
    Esquecem do verdadeiro sentido do cristianismo, misturando conceitos, dogmas, religiões e títulos dos mais variados doutores em Teologia, mas não se aproximam nem de longe do caráter de Cristo.
    Nova reforma, novas doutrinas, pentescostais, neo isso, neo aquilo não levará ninguém a Salvacao, nem tao pouco a conhecer a verdade.
    Toda esse vento de doutrina não ajuda no verdadeiro sentido da nossa existência que e adorar a Deus.
    Conhece-Lo, ama-Lo.
    Conhecer aos outros, também e amar a Cristo, amar uns aos outros, não quer dizer, critiquem-se.
    Me envergonho de pastores que usam espaços preciosos para o Reino de Deus, para atacarem ou defenderem idéias.
    Amem-se e reflitam, reformem-se a si mesmos.

    Curtir

  4. leonel santos
    23/08/2010

    Aleluia! Já não era sem tempo para o Espírito de Deus despertar os cristãos sinceros e dizer um basta a essa nojeira que aí está. Na idade média se vendia perdão pós morte, as indulgências, hoje se vende bênçãos; então, se atribuía virtude a talismãs, as reliquias; hoje, são os copos de água, sal grosso, lenços, etc. de modo que so mesmos vícios que ensejaram a reforma protestante, vigem agora, em seu reduto. Por não querer pagar o preço de serem restaurados a imagem de Deus, os “evangélicos” criaram um “deus” mercenário, a imagem do desejo dos seus corações. é hora de retomarmos Jericó, e como disse então Josué, “Passai e rodeai a cidade, e quem estiver armado, passe adiante da Arca do Senhor.” Paz

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: