Uma estrangeira no mundo

"Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim." – Jo 15.18

O discurso da fé: análise do discurso de lideranças de igrejas neopentecostais – Parte 1


O tema do meu trabalho de conclusão do curso de Pós-Graduação em Revisão de Texto foi a análise do discurso religioso neopentecostal. Através da transcrição de discursos de lideranças evangélicas, foi feita a análise buscando extrair o que estava subentendido, com o fim de trazer esclarecimento sobre o que é dito para influenciar multidões.

Uma vez aprovado, transcrevo partes do trabalho para apreciação geral. Neste artigo, especificamente o capítulo 2. Boa leitura!

 

2 – Análise do discurso religioso de lideranças neopentecostais

2.1 – Definição de análise de discurso

O estudo da linguagem se divide em diferentes áreas, entre as quais a análise do discurso. Gregolin (1995)[1] observa a análise do discurso através de vários conceitos. Do ponto de vista histórico, temos desde os estudos da Retórica grega até a atual tentativa de linha francesa de construir uma “análise automática do discurso” através da informática. Entre esses dois extremos viu-se uma mudança do foco da Linguística da “frase” para a Linguística do “texto”, provocando transformações na então aceita ideia de que a “fala” é individual e não passível de análise científica. Ao assumir o texto como objeto de análise (e não apenas a frase), o estudo do “texto” ganhou destaque nos estudos linguísticos.

Charaudeau (2008, p.16-17) verifica duas atitudes em relação à linguagem. Na primeira, observa-se o ato da linguagem esgotando sua significação em si mesmo. Assim, se alguém diz: “abra a porta”, buscou significar nada além de “abra a porta”. Já na segunda atitude, admite-se que o ato da linguagem não esgota sua significação em si mesmo, significando algo além do seu próprio significado, contextualizando com a realidade social e histórica. Assim, nesse caso é necessária a interrogação sobre as diferentes leituras possíveis, pois o objeto de estudo passa a ser constituído por um explícito (o que é claramente manifestado) e um implícito (os sentidos múltiplos dependentes das circunstâncias da comunicação). E significação em Linguística pressupõe a Semântica.

Semântica, segundo Fiorin (2008, p. 13-16) é não simplesmente o “estudo do significado”. Ela necessita ser:

  1. Gerativa, ou seja, deve estabelecer modelos que apreendam os níveis de invariância crescente do sentido de tal forma que se perceba que diferentes elementos do nível de superfície podem significar a mesma coisa num nível mais profundo (por exemplo, a aprovação no vestibular e a Arca da Aliança, no filme Os caçadores da arca perdida, significam a mesma coisa num nível mais profundo, poder fazer: no primeiro caso, poder fazer um curso superior; no segundo, poder vencer os inimigos);
  2. Sintagmática, isto é, deve explicar não as unidades lexicais que entram na feitura das frases, mas a produção e a interpretação do discurso;
  3. Geral, ou seja, deve ter como postulado a unicidade do sentido, que pode ser manifestado por diferentes planos de expressão (por um de cada vez ou por vários deles ao mesmo tempo: por exemplo, o conteúdo /negação/ pode ser manifestado por um plano de expressão verbal “não” ou por um gesto como “repetidos movimentos horizontais da cabeça”; o conteúdo de uma telenovela é manifestado, ao mesmo tempo, por um plano de expressão verbal, por um visual, etc.). (FIORIN, 2008, p. 16)

Maingueneau (1989, p. 31-32) ressalta a importância da Pragmática na análise do discurso: “[…] a pragmática tende a enfatizar que ‘a tomada da palavra’ constitui um ato virtualmente violento que coloca outrem diante de um fato realizado e exige que este o reconheça como tal”. O autor esclarece que, num discurso, o locutor se concede um certo lugar, atribuindo um lugar complementar ao outro. Esse lugar complementar deve ser aceito pelo outro, que deve também reconhecer a autoridade do locutor para estar no lugar onde se colocou. Assim, a concepção pragmática se opõe à ideia da língua como simples instrumento de transmissão de informações.

Em relação à análise do discurso religioso, enquanto Orlandi (1987, p. 85) o insere em sua concepção de “discurso da autoridade” por seu caráter autoritário, ou seja, onde o locutor se sobrepõe ao outro através do discurso, Oliveira (1998, p. 22) enxerga que tal autoridade se dilui na medida em que os ouvintes procuram os locutores religiosos espontaneamente. Assim, segundo a autora, pode-se acatar ou não as determinações dos líderes religiosos, havendo muitas vezes um alheamento voluntário por parte do ouvinte por desconhecer o assunto (no caso deste estudo, os ensinos bíblicos).

Para Orlandi,

Partindo, então, da caracterização do discurso religioso como aquele que fala a voz de Deus, começaria por dizer que, no discurso religioso, há um desnivelamento fundamental na relação entre locutor e ouvinte: o locutor é do plano espiritual (o Sujeito, Deus) e o ouvinte é do plano temporal (os sujeitos, os homens). Isto é, locutor e ouvinte pertencem a duas ordens de mundo totalmente diferentes e afetadas por um valor hierárquico, por uma desigualdade em sua relação: o mundo espiritual domina o temporal. O locutor é Deus, logo, de acordo com a crença, imortal, eterno, infalível, infinito e todo-poderoso; os ouvintes são humanos, logo mortais, efêmeros, falíveis, finitos, dotados de poder relativo. Na desigualdade, Deus domina os homens. (ORLANDI, 1987, p. 243).

 

2.2 – Discurso para arrecadação de ofertas e dízimos

ad1Como já explicitado no capítulo anterior, uma das principais características das igrejas neopentecostais é a ênfase na prosperidade, conseguida através da doação de dízimos e ofertas por parte dos fiéis. Assim, será feita a análise do discurso utilizado para convencer os fiéis a fazer doações financeiras para essas igrejas.

Verdadeiramente, um pai rico só poderá ter filhos ricos. Se você, […] não está vivendo como um abundante filho de Deus é porque ou está afastado das origens da sua verdadeira família, ou não quer se apossar da herança; entretanto, se você deseja viver a verdadeira vida que Deus tem preparado, comece hoje, agora mesmo, a cobrar aquilo que Ele tem prometido. (MACEDO apud GONÇALVES, 2013, p. 92)

Nesse discurso, o Bispo Edir Macedo (IURD) afirma aos fiéis que quem segue a Deus é considerado seu filho, e que como filhos de um pai rico (pois divino, todo-poderoso, imortal, qualidades essas intrínsecas a uma divindade) os fiéis devem ser também ricos. Tal riqueza se dá, segundo Macedo, através da herança paterna e pela posse desse direito. O fiel deve se apossar da riqueza oriunda de Deus, cobrando-o sobre as promessas bíblicas que versam sobre prosperidade. Porém, ao cobrar uma atitude de Deus e exigir uma bênção (no caso, prosperidade financeira), o fiel se coloca numa atitude contrária  de submissão e contemplação perante a divindade, passando a ter autoridade sobre Deus ao ponto de lhe dar ordens e exigir cumprimento de promessas constantes na Bíblia, feitas em outro contexto histórico e muitas vezes dirigidas a personagens e nações específicas, como por exemplo o povo judeu.

Você tem que chegar e se impor. Ó, pessoal, você vai ajudar agora na obra de Deus. Se você quiser ajudar, bem; se você não quiser ajudar, Deus vai me dar outra pessoa pra ajudar. Amém. Entendeu como é? Se quiser ajudar, bem; se não quiser, que se dane! É dá ou desce! Entendeu como é que é? Nunca pode ter vergonha ou timidez. Peça, peça, peça. Se tem um que não dê, vai ter um montão que vai dar. (BLEDSOE, 2012, p. 68)

Esse discurso foi proferido pelo Bispo Edir Macedo e dirigido a um grupo de pastores da IURD, e denota o modus operandi dos pregadores de igrejas neopentecostais no que tange aos pedidos de dízimos e ofertas.

O pastor precisa chegar e se impor. Precisa, pela postura, atitudes e tonalidade de voz se colocar num patamar mais alto que seus ouvintes, demonstrando autoridade sobre a plateia. E precisa ser imperativo, direto: “você vai ajudar agora na obra de Deus”.

Uma das estratégias ensinadas por Macedo a seus pupilos é a de desmerecer os fiéis. Ninguém é muito importante, pois nenhuma oferta individual é importante: “se você quiser ajudar, bem; se você não quiser ajudar, Deus vai me dar outra pessoa pra ajudar”. O importante é o conjunto de ofertas. Assim, o pastor deve não se fixar em convencer alguma pessoa individualmente, mas a maior parte da plateia. Isso também significa que, se alguém não quiser ofertar e assim receber as bênçãos prometidas pelos pastores, Deus levantará outros que doarão e serão por isso abençoados.

“Se não quiser [dar a oferta], que se dane! É dá ou desce!” – Na estratégia das igrejas neopentecostais, o fiel tem duas opções: ou dá a oferta solicitada e se coloca em posição de receber bênçãos, ou não dá a oferta e se torna apto a toda sorte de tribulações. Utilizando-se da chula e machista metáfora popular, ou dá e permanece com a carona para casa, ou desce do carro e percorre o resto do caminho a pé, sob perigos.

É também parte da estratégia a grande ênfase na pregação de ofertas e dízimos. Os pastores das igrejas neopentecostais precisam pedir, pedir, pedir sem vergonha ou timidez. A repetição é uma forma de influenciar as pessoas para que ajam conforme as instruções do locutor.

Os dízimos e as ofertas são tão sagrados e tão santos quanto a Palavra de Deus. Os dízimos significam fidelidade, e as ofertas, o amor do servo para com o Senhor. Não se pode dissociar os dízimos e as ofertas, o amor do servo para com o Senhor Jesus, uma vez que eles significam, na verdade, o sangue daqueles que foram salvos em favor daqueles que precisam ser salvos. (BLEDSOE, 2012, p. 151)

Aqui o Bispo Edir Macedo mistifica o ato de doação de dízimos e ofertas. Não apenas mistifica, mas compara a oferta aos escritos bíblicos, considerados pelos fiéis como a Palavra de Deus e fundamentais para a formação da doutrina cristã.

Nesse discurso, Macedo faz algumas comparações. O dízimo e as ofertas são comparados, em grau de importância, à Bíblia e ao amor do fiel a Jesus Cristo. Assim, quem ama a Deus precisa necessariamente demonstrar esse amor através da doação de recursos financeiros às igrejas neopentecostais. Esses recursos, segundo o discurso em estudo, são como um sacrifício de sangue, de morte, em prol da evangelização de novos crentes, que passariam a ter vida espiritual. Para muitos, especialmente os fiéis de menor renda, o ato de generosidade direcionado à igreja equivale, muitas vezes, a um grande sacrifício pessoal.

ad4Ei pastor, eu plantei. Se der deu, se não der não deu. Irmão! Eu chamo qualquer agricultor aqui, meu irmão, você está de conversa! O cara ara a terra, solta a semente e ele tem lá, ele sabe quanto tempo leva. Abacate: sete anos. E vai por aí afora. Essa fruta aqui é um ano. Onze meses e o cara tá lá vendo. Ele já tá vendo a colheita. Se planta laranja, a árvore tá desse tamanhinho, o cara já tá vendo a laranja toda que tá colhendo. Ele tá sempre visualizando, ele tem a expectativa. Agora, não pastor, e tem uns com cara de super santos: pastor, eu dou ofertas, pastor, simplesmente pelo ato de dar. Sim, trouxa. Ok, trouxa. Eu respeito você, trouxa. Eu dou ofertas porque, simplesmente sabe, porque eu amo a Deus e tá acabado. Tá bom, se você quer fazer isso faz, mas a Bíblia não manda você fazer isso. A Bíblia faz uma analogia da oferta com a semente para que você entenda que todo agricultor que planta deve colher! Você deve dar oferta na expectativa que você vai colher na sua vida! Em algum tempo futuro você vai colher! […] (Pastor Silas Malafaia – YOUTUBE)

Nesse discurso, o Pastor Silas Malafaia (ADVEC) se dirige enfática e agressivamente à sua plateia. A ênfase é ensinar como o crente pode prosperar, e para isso compara a liberação de bênçãos materiais a uma colheita. De forma didática, Malafaia leva o fiel a entender que não se deve ofertar ou dizimar sem esperar nada em troca. Para o pastor, isso é um grande erro.

Com uma linguagem bastante popular, Malafaia chama as pessoas que aparentam grande santidade (por fazer doações apenas por amor à obra de Deus) de “trouxas”. Para maior destaque, repete o termo algumas vezes, de forma a ridicularizar perante a plateia aqueles que ofertam sem seguir seus ensinos.

O objetivo desse discurso é obviamente aumentar a arrecadação financeira. Os que Malafaia chama de “super santos” já ofertam por convicção própria. Os demais precisam de um incentivo para melhor ofertar, e esse incentivo é a promessa vinda do “representante de Deus” de que, mais cedo ou mais tarde, a recompensa financeira chegará ao fiel. Afinal, o que o “representante” traz é a palavra vinda do próprio Deus, e por isso merece todo o crédito dos ouvintes.

ad5O faraó, mesmo sendo deus ou a divindade, ele teve a humildade […] de aceitar o que Deus colocou na boca do profeta José: separa vinte por cento e guarda, porque quando vier a escassez você vencerá. São onze horas e quinze minutos, e eu queria que você que está me acompanhando e quer vencer a crise – Deus me deu até um livro, eu escrevi esse livro em dez dias: Colhendo os frutos no deserto – esse livro não está à venda, eu vou presentear as pessoas que vão aceitar o propósito, mesmo que você seja da Batista, da Mundial, da Presbiteriana, da Igreja Carismática, da Católica, que você seja da Universal, qualquer ministério. Se Deus falou com você, e lhe deu a direção, e crê, você vai separar a quinta parte. O que é a quinta parte? Pela última vez: é vinte por cento. Eu não poderia falar assim: […] dízimo de vinte por cento. Não existe essa conjecção, isso fere o Aurélio, isso fere a matemática porque dízimo vem de dez, então dízimo é dez por cento. Mas pra tentar iluminar a sua mente e fazer você, que não tem muito entendimento, entender, você vai separar vinte por cento esse mês de setembro. Eu estou profetizando que você vai colher os frutos no deserto. […] Se você recebe mil reais, quanto é o dízimo? Cem, que é dez por cento. Mas este mês você vai separar a quinta parte, que é vinte por cento. Ao invés de você separar cem, você vai separar duzentos reais. Que o Espírito de Deus lhe dê sabedoria, pra entender o que eu estou tentando explicar. A minha intenção é única: que em meio à crise, em meio à dificuldade você se sobressaia […]. (Apóstolo Agenor Duque – YOUTUBE)

O autointitulado[2] Apóstolo Agenor Duque, da IAPTD (pois há uma controvérsia sobre a aceitação do título de apóstolo nas igrejas evangélicas nos dias atuais)[3], assim como o Pastor Silas Malafaia, dirige-se aos seus ouvintes de forma bastante popular, numa tentativa de se mostrar próximo. Essa proximidade traz também uma certa intimidade e confiança, imprescindíveis para o maior sucesso dos discursos que profere.

O discurso em estudo foi realizado durante um programa de rádio (embora também gravado em vídeo). Pela falta da percepção visual, a informação, nesse caso, precisa ser “simples e caracterizada pela repetição de conceitos de modo a que o ouvinte possa assimilar a ideia que se pretende comunicar. […] isto para que o ouvinte não se sinta forçado a esforços superiores à sua compreensão normal”, segundo Amaral (sem data)[4].

O Apóstolo Agenor Duque inicia seu discurso com uma parábola. Conta uma história bíblica contida no Antigo Testamento (livro de Gênesis, capítulo 41)[5], e a compara com a atual realidade vivida pelos fiéis. Assim como na história do faraó e de José do Egito, atualmente os fiéis passam necessidades por conta da crise econômica e política que afeta o Brasil[6]. E, segundo Duque, a solução da crise está em obedecer às instruções divinas recebidas pelo autointitulado apóstolo.

Objetivando influenciar os ouvintes, o Apóstolo Agenor Duque se coloca numa posição duplamente superior: primeiro, por ser o “representante de Deus”, sendo sua palavra um mandamento da própria divindade; e em segundo lugar, colocando-se como alguém altamente capacitado para pronunciar tal discurso, diante de uma plateia de ignorantes.

Para melhor caracterizar seu grau de capacitação, Duque relata que é autor de um livro sobre o assunto (vencer a crise), cita o dicionário Aurélio e a ciência matemática e coloca o ouvinte numa posição claramente inferior em termos de conhecimento bíblico: “pra tentar iluminar a sua mente e fazer você, que não tem muito entendimento, entender”. Ao citar a passagem bíblica do início do discurso, Duque não a referencia (Gênesis 41), pois não importa que o fiel vá comprovar a informação, apenas que atenda obedientemente à instrução de tão culto homem de Deus. Assim, perpetua-se a condição de ignorância dos fiéis e a posição supostamente superior, em termos de conhecimento bíblico, do apóstolo, demarcando claramente quem deve obedecer a quem.

De forma didática e impaciente (“pela última vez: é vinte por cento”), Duque explica ao ouvinte o que Deus lhe requer para tirá-lo da situação de crise. Mesmo que pertença a outra igreja, a oferta deve ser entregue na IAPTD. E precisa ser vinte por cento dos ganhos do fiel. Tão específicas instruções remetem a simpatias e rituais de magia, também justificadas como vontade de Deus (ou deuses), segundo as religiões que as praticam.

ad6Quem inventou essa história de que, para agradar a Deus, as pessoas têm que ser tristes, pobres e mal vestidas? Não aceitam que a gente tenha ganho a BMW na rifa, toque rock, seja feliz. Não aceitam nossa liberdade de falar da Bíblia sem ser ET. A gente aceita todos como eles são. Você pode usar miniblusa, colocar 50 brincos na orelha, pintar o cabelo de azul, usar calça esburacada. Sem acusação. (BISPA SÔNIA HERNANDES apud MARIANO, 2014, p. 211)

A Bispa Sônia Hernandes (Renascer Em Cristo) apela para a vaidade dos seus ouvintes. Assim como sua igreja aceita pessoas de todas as tribos e gostos, essas pessoas precisam retribuir aceitando a forma como a Renascer prega sobre prosperidade financeira. E Hernandes justifica que o puritanismo não é imprescindível para se agradar a Deus, atendendo a uma premissa da Teologia da Prosperidade.

 

2.3 – Discurso de doutrina

Nesse subitem será feita a análise do discurso de igrejas neopentecostais sobre sua doutrina.

ad7É preciso a pessoa estar consciente de que foi o Espírito Santo quem dirigiu as pessoas a escreverem a Bíblia. Assim sendo, só através d’Ele é possível a sua interpretação. O estudante da Bíblia nunca deve depender somente dos seus conhecimentos teológicos para interpretar a Palavra de Deus. Muito pelo contrário, quanto mais ele se esvaziar de si mesmo e depender do Espírito Santo, mais compreensão terá. (MACEDO apud GONÇALVES, 2013, p. 84)

O Bispo Edir Macedo (IURD) traz um paradoxo aos fiéis: ao mesmo tempo em que o Espírito Santo dirigiu a escrita da Bíblia, esses escritos só podem ser interpretados pelo próprio Espírito Santo de Deus (embora haja traduções para diversas línguas, inclusive o português). O conhecimento teológico, para Macedo, tem pouco ou nenhum valor, pois o bispo acredita que tal conhecimento traz embutida a vaidade e a independência de Deus. A verdadeira dependência, segundo Macedo, está em deixar de lado os conhecimentos bíblicos adquiridos e obter diretamente de Deus a interpretação dos textos sagrados.

Ao se lembrar que o sacerdote é quem detém a representação de Deus, nesse discurso temos a instrução para que o ouvinte passe a depender do “representante de Deus” para a correta interpretação das Escrituras. Dessa forma, nas igrejas neopentecostais a palavra final sobre os escritos bíblicos sempre será a dada pelos líderes eclesiásticos, independente se o significado encontrado está de acordo ou não com os contextos. O estudo da palavra de Deus será desprezado por denotar independência das revelações divinas.

Muitos cristãos vivem pedindo oração porque estão sendo perseguidos pelo diabo. É de estarrecer, porque a realidade deveria ser outra. Os cristãos é que devem perseguir os demônios. Nossa luta é muito mais de combate do que de defesa; devemos nos armar de toda a armadura de Deus para libertar os oprimidos. A igreja deve ser triunfante e estar sempre na ofensiva. (MACEDO apud MARIANO, 2014, p. 122)

Uma das premissas das igrejas neopentecostais é a ênfase na Batalha Espiritual. Para o Bispo Edir Macedo, o cristão precisa reconhecer sua autoridade diante dos demônios e expulsá-los, não dependendo de orações de outras pessoas. Isso traz embutida a diminuição do trabalho pastoral, caso os fiéis deixem de demandar cuidados espirituais. Além disso, a imagem de uma igreja sempre triunfante é perfeita para os ideais da Teologia da Prosperidade, pois significa a vitória em todas as áreas, inclusive e especialmente a financeira (mote da propaganda das igrejas neopentecostais).

ad8Pese o Senhor hoje a minha vida e a sua. Que Deus pese-me entre eu e você! Você tem blasfemado contra um ungido de Deus! Eu não sou um cheirador de cocaína, eu não sou um alcoólatra, eu sou um homem de Deus! Você diz que verá minha queda, então se eu sou profeta de Baal é três dias! Ou Deus me abate e abate a minha casa, ou a ira do Senhor virá contra ti! [inteligível] Se eu sou um falso profeta você saberá. Ou Deus me recolhe, ou a ira do Senhor virá sobre ti. Ou eu sou esse falso profeta que você fala. Diz o Senhor: você está amaldiçoado agora! (Apóstolo Agenor Duque –  YOUTUBE)

O autointitulado Apóstolo Agenor Duque (IAPTD) desferiu esse discurso olhando diretamente para a câmera e apontando para um inimigo anônimo, que no contexto pode ser qualquer pessoa que lhe faça uma crítica.

Logo no início, Duque aciona a Deus para que julgue entre ele e a pessoa a qual se dirige. Em sua defesa, Duque alega ser um ungido de Deus e um não marginalizado. Como ungido e homem de Deus, o apóstolo se considera acima dos demais. Afinal, tem uma conexão direta com Deus, para quem apela no sentido de dar a sentença final: ou o apóstolo morre, ou a ira do Senhor recairá sobre a pessoa a quem se dirige.

No final, Deus dá o veredicto: “diz o Senhor: você está amaldiçoado agora!”. Tal discurso objetiva levar o ouvinte a um abalo psicológico, caso julgue que Deus o está mesmo amaldiçoando. Tal abalo o levará a crer que qualquer contrariedade em sua vida possa advir de tal maldição[7].

ad9Quem é que toca num ungido do Senhor e fica impune? Ungido do Senhor é problema do Senhor. Ungido do Senhor não é problema teu. Teu pastor é ladrão? Teu pastor é pilantra? Você não está gostando? Sai de lá e vai para outra igreja. Não se mete nisso não porque não é da tua conta não. Cai fora! Vai embora! Aqui, tchau, Deus abençoe o senhor, pastor, quero aqui a minha carta, o senhor pode me dar uma carta de apresentação, que eu vou para outra igreja. E se não der também, como diz Jabes, vai embora. Só não arruma problema. É isso aí, ele tá correto! Só não arruma problema. Não toque num ungido de Deus. Rapaz, aprenda isso! Eu já vi gente morrer por causa disso, meu irmão! Meu irmão, já vi gente morrer, estou falando aqui, eu já vi gente morrer. Meu irmão, isso é coisa muito séria, meu irmão. Meu irmão, não toma atitude contra pastor, não entra nessa furada não, vai. Se ele vir contra mim, ele vai perecer. Se ele vir contra mim, Deus vai tirar a vida dele. (Pastor Silas Malafaia – YOUTUBE)

Nesse discurso, o Pastor Silas Malafaia (ADVEC) discorre sobre a visão do ungido do Senhor seguida pelas igrejas neopentecostais.

Para Malafaia, não cabe a ninguém julgar um “ungido do Senhor”, um representante de Deus na terra, um líder religioso. Pode-se julgar trabalhadores, empresários, políticos, até mesmo juízes, porém nunca, em hipótese alguma, um “ungido do Senhor”. A paga para quem incorre nesse erro, segundo o pastor, é a pena de morte advinda do próprio Deus.

Para aproximar o discurso dos fiéis, Malafaia recorre a repetições e a histórias que diz conhecer. No final, o pastor se coloca com um dos ungidos a não serem tocados: “Se ele vir contra mim, ele vai perecer. Se ele vir contra mim, Deus vai tirar a vida dele”.

Essa é uma versão indireta do discurso estudado anteriormente. Enquanto Agenor Duque lança sua maldição diretamente para o ouvinte, Malafaia o faz de forma indireta, mais cuidadosa, menos agressiva, porém bastante enfática.

A imposição do medo sobre os fiéis (para que sigam cegamente seus líderes eclesiásticos) é uma das estratégias das igrejas neopentecostais.

ad10[…] E aí que uma mulher lá, ela falou assim: essas igrejas da porta larga, ah! Igreja séria, ah! é aquela que prega somente a salvação, é a igreja verdadeira. Essas igrejas da porta larga, papagaiada, conversa fiada, só fala bobagem, bênção, vitória, milagres. A igreja séria de Deus é aquela que prega a salvação. E como eu sou sanguíneo, fui ouvindo uma vez, duas vezes, aí gritei lá no meio do Poupatempo, parecia um louco: Mentira! Mentira! Heresia! Uma vez, mas paguei de louco mesmo, tipo louco, aqueles fanáticos da Praça da Sé, louco, fiz igualzinho. (Apóstolo Agenor Duque – YOUTUBE)

Esse discurso do autointitulado Apóstolo Agenor Duque também foi transmitido por rádio e gravado em vídeo. Quando da fala da mulher, Duque modifica sua voz para um tom mais grave e com sotaque nordestino, objetivando ridicularizar a fala de sua oponente diante dos ouvintes. Assim, mais uma vez se coloca como alguém superior aos demais não apenas por sua unção, mas também por seu suposto conhecimento bíblico e agora por sua origem paulistana[8].

Impressiona também a reação do apóstolo diante de sua oponente. Enquanto a mulher, segundo a imitação do apóstolo, falava de forma lenta, sua reação foi enérgica e agressiva, acusando-a de mentirosa em tom alto e na frente de todos da repartição pública, beirando um ataque de loucura.

Duque não revela como tudo terminou, mas fica subentendido que, por ser homem, de grande porte físico e um suposto ungido de Deus, tenha conseguido anular a mulher, que não deve ter esboçado nenhuma outra reação.

Como de costume, utiliza-se de linguagem bastante popular. E traz um paradoxo: a igreja séria de Deus, para o apóstolo, não é a que prega a salvação, mas a que prega bênção, vitória e milagres. Porém, tais manifestações existem para fortalecer a fé e levar o público à conversão a Cristo, obtendo, segundo a fé cristã, a salvação de suas almas[9].

A explicação de tal paradoxo é que o objetivo das igrejas neopentecostais, através das manifestações de milagres, é a de aumentar o público e consequentemente a arrecadação de dízimos e ofertas. A salvação, essa é deixada para o outro plano.

A forma como foi expresso o discurso dá a impressão de que o Apóstolo Agenor Duque se orgulha do que ocorreu. Afinal, de forma subentendida conseguiu calar uma adversária.

 

(leia também a Parte 2)

[1] GREGOLIN, Maria do Rosario Valencise. A análise do discurso: conceitos e aplicações. Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/viewFile/3967/3642>. Acesso em: 16 Abr.2016.

[2] Revista Época. Apóstolo emergente das igrejas neopentecostais promete apagar a memória dos fiéis. Disponível em: < http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/12/apostolo-emergente-das-igrejas-neopentecostais-promete-apagar-memoria-dos-fieis.html>. Acesso em: 21 Abr. 2016.

[3] LOPES. Augustus Nicodemus. Apóstolos: a verdade bíblica sobre o apostolado. São José dos Campos, SP: Editora Fiel, 2014.

[4] AMARAL, Catarina. Características da rádio. Disponível em: < http://www.ipv.pt/forumedia/4/16.htm>. Acesso em: 21 Abr.2016.

[5] Bíblia de Jerusalém. Nova edição, revista e ampliada. São Paulo: Editora Paulus, 2006.

[6] Estadão. Entrevista: Teresa Ter-Minassian. Disponível em: < http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-nao-sai-da-crise-economica-se-nao-resolver-a-crise-politica,10000023324>. Acesso em: 21 Abr.2016.

[7] Hype Science. Use psicologia para fazer suas maldições funcionarem. Disponível em: < http://hypescience.com/use-psicologia-para-fazer-suas-maldicoes-funcionarem/>. Acesso em: 21 Abr.2016.

[8] Revista Época. Apóstolo emergente das igrejas neopentecostais promete apagar a memória dos fiéis. Disponível em: < http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/12/apostolo-emergente-das-igrejas-neopentecostais-promete-apagar-memoria-dos-fieis.html>. Acesso em: 21 Abr. 2016.

[9] PIPER, John. Sinais e maravilhas: antes e agora. Disponível em: < http://www.desiringgod.org/articles/signs-and-wonders-then-and-now?lang=pt>. Acesso em: 21 Abr. 2016.

6 comentários em “O discurso da fé: análise do discurso de lideranças de igrejas neopentecostais – Parte 1

  1. elbert
    22/07/2016

    Nojo dessa turma.

    Curtir

    • Juce Araujo
      22/07/2016

      Muito boa a análise, tem mais? Um ponto do discurso que me chama atenção é a benção especeal, se vc der 100 vai ter benção se der 500 vai ter muita benção se der 1000 terá uma benção especial. Como assim? é diferente? tem gradação?

      Curtir

  2. Moacir Teles Maracci
    22/07/2016

    Boa tarde, irmã Vera. Pelo que li até aqui, o seu esforço intelectual promete. Até consegue elucidar as estratégias mais comuns do neo pentecostalismo brasileiro, e especialmente denunciar uma verdadeira adulteração do plano salvífico, em vez da salvação, simplesmente a prosperidade (material). O seu estudo sobre o discurso, contido em 2.1: “Definição de análise do discurso” me fez pensar em um livro de Eder Sader: “Quando novos personagens entraram em cena”, no seu capítulo 3: “Matrizes discursivas”, onde esse autor analisa os discursos segundo os espaços sociais e culturais em que surgem. Há um encontro entre o seu pensamento e o de Sader no que se refere ao papel da linguagem, que não é só transmitir informações, mas comunicar, compartilhar, e no limite, engajar-se na luta contra a opressão e injustiça. Assim, por linguagem entende-se toda mímica, e você destaca o “desempenho” do Agenor Duque, entrando junto com a sua estratégia de comunicação os elementos presentes na cultura e comportamento, como por exemplo o preconceito contra nordestinos. Eu sugiro a leitura desse livro, se assim desejar. Fico por aqui, mas enquanto eu não tenho os outros capítulos do seu trabalho, eu vou ler novamente esse capítulo 2, pois trata-se de um esforço em profundidade, um verdadeiro mergulho reflexivo na “matriz discursiva” neo pentecostal. Por último, gostaria de salientar a importância do seu trabalho no atual contexto em que se propõe a famigerada “escola sem partido”. Se esse projeto do Magno Malta passar, o terreno fica muito fértil para os malafaias, macedos e duques da vida, e assim, as trevas e o obscurantismo reinará. Que Deus permita que o seu trabalho atinja o seu escopo, o de contribuir para uma cristandade libertária, como é o ministério de Jesus…

    Curtir

    • Estrangeira
      22/07/2016

      Oh, meu irmão, o que dizer das suas palavras? Com certeza vou buscar sua sugestão de leitura, e amanhã colocarei o capítulo 3 (que versa sobre o discurso religioso para obtenção de poder político). Que Deus te abençoe, obrigada por tudo!

      Curtir

  3. Marcos (Cadeirante)
    25/07/2016

    Infelizmente a maioria dos líderes evangélicos são vistos, em geral, como oráculos de Deus na terra, suas palavras são “infalíveis”, assim como a do Papa. E isto vem de uma herança da reforma onde trocamos o altar do sacrifício da missa pelo púlpito (altar), e seguimos uma liturgia rígida e vertical em que não há espaço para divergir do que é dito pelo líder, e tudo isto está muito distante do significado da palavra “Igreja” (Ekklessia), do livro de Atos e 1Coríntios.

    Curtir

  4. Alfie Cristina
    12/09/2016

    Realmente, vc é boa para escrever mas não entendeu nada sobre Deus!
    Qual será sua frustração ou ferida? No mínimo, tem algo aí… Que o Senhor te faça enxergar com os olhos do espírito aquilo que SO o Espírito consegue discernir!
    Deus te abençoe

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: